São Paulo, junho de 2018 – Ainda sem mensurar o impacto da greve dos caminhoneiros, o quinto período* do mercado livreiro apresentou boa performance, comparativamente ao mesmo intervalo de 2017.
Os resultados analisados* mostraram crescimento de 10,23% em volume e 11,78% em faturamento. Na soma das vinte semanas de 2018**, em relação ao ano anterior, o varejo de livros também permaneceu em recuperação com números positivos tanto em volume, 9,49%, quanto em faturamento, 13,84%.
Um dado interessante deste acumulado é a queda da importância dos Tops 500 e 5.000 títulos mais vendidos. Esta desconcentração pode ser traduzida como uma menor dependência sobre os títulos mais vendidos e uma busca maior de fundo de catálogo – parte em função de promoções.

TOP500 Até WK04 Até WK08 Até WK12 Até WK16 Até WK20
Volume -0,01 p.p. 0,90 p.p. 1,85 p.p. 2,33 p.p. -2,33 p.p.
Valor -2,78 p.p. 2,48 p.p. 1,97 p.p. 2,31 p.p. -0,83 p.p.
TOP5000 Até WK04 Até WK08 Até WK12 Até WK16 Até WK20
Volume -0,52 p.p. 0,05 p.p. 0,68 p.p. 1,07 p.p. -9,14 p.p.
Valor -0,98 p.p. 0,91 p.p. 0,83 p.p. 0,95 p.p. -6,61 p.p.

“Esses bons resultados não podem nos fazer perder de vista que os próximos períodos serão desafiadores. Teremos como mensurar o impacto da crise dos caminhoneiros, além da abertura da Copa do Mundo. O varejo deve sentir algum efeito, provavelmente mais concentrado no sétimo período”, comenta Ismael Borges, líder da Nielsen Bookscan Brasil.
Esses são alguns dos dados do 5º Painel das Vendas de Livros no Brasil em 2018, apresentados pelo Sindicato Nacional dos Editores de Livros (SNEL) e pela Nielsen. Os
números têm como base o resultado da Nielsen BookScan Brasil, que apura as vendas das principais livrarias e supermercados no país.

* T. Mercado – Período 05: 2017 (24/04 a 21/05/2017) x 2018 (23/04 a 20/05/2018)
** T. Mercado – Acumulado WK01 / WK20: 2017 (02/01 a 21/05/2017) x 2018 (01/01 a 20/05/2018)
Fonte: Nielsen | Nielsen BookScan

Metodologia
O objetivo da criação do Painel é dar mais transparência à indústria editorial brasileira. A iniciativa da parceria entre o SNEL (Sindicato Nacional dos Editores de Livros) e a Nielsen disponibiliza para o setor dados atualizados que poderão contribuir nas tomadas de decisões por empresários de todos os portes.
Para a realização do Painel, os dados são coletados diretamente do “caixa” das livrarias, e-commerce e varejistas colaboradores. As informações são recebidas eletronicamente em formato de banco de dados. Após o processamento, os dados são enviados online e atualizados semanalmente.

Nielsen Bookscan é o primeiro serviço de monitoramento de vendas de livros no mundo, presente em dez países, e o resultado de seu trabalho é um forte instrumento de decisão para as editoras que trabalham com estes dados. O SNEL divulga o Painel das Vendas de Livros no Brasil a cada quatro semanas.

SOBRE O SNEL – Criado em 1940, o Sindicato Nacional dos Editores de Livros tem como finalidade o estudo e a coordenação das atividades editoriais, bem como a proteção e a representação legal da categoria de editores de livros e publicações culturais em todo o Brasil. Como representante da categoria editorial, o SNEL é filiado à International Publishers Association (IPA) e ao Centro Regional para el Fomento del Libro en America Latina y el Caribe (Cerlalc). O Sindicato mantém articulações permanentes com diversas entidades, tanto governamentais quanto privadas, com o objetivo de fomentar a política do livro e da leitura no país. Para mais informações, visite o site www.snel.org.br.

CONTATO COM A IMPRENSA
Gabriela Leal – Assessora de Comunicação

assessoriacomunicacao@snel.org.br / (+ 55 21) 2533-0399/ 99290-3477

SOBRE A NIELSEN – Nielsen Holdings plc (NYSE: NLSN) é uma empresa global de medição e análise de dados que fornece a visão mais completa e confiável sobre os consumidores e os mercados ao redor mundo. Nosso enfoque une dados Nielsen com informações de outras fontes para auxiliar nossos clientes globalmente a entender o que está acontecendo agora, bem como no futuro, e como agir corretamente com esse conhecimento. Por mais de 90 anos, a Nielsen tem proporcionado informações e análises com base em rigor científico e inovação, desenvolvendo continuamente novas formas de responder às questões mais relevantes sobre as indústrias de mídia, publicidade, varejo e produtos de consumo (FMCG). Como uma das 500 empresas mais importantes na Standard & Poors, a Nielsen está presente em mais de 100 países, representando 90% da população mundial. Para saber mais, visite: www.nielsen.com.

CONTATO COM A IMPRENSA
Angélica Vargas – Comunicação Externa Brasil
angelica.vargas@nielsen.com / (+55 11) 4613718

A apresentação do dossiê aconteceu no dia 30 de maio de 2018 na sede do SNEL, no Rio de Janeiro, com a presença do presidente Marcos da Veiga Pereira, da Profª Leda Paulani e da economista Mariana Bueno, da Fipe.

Confira a íntegra da série histórica de 12 anos da Pesquisa Fipe

Maio de 2018 – Apresentada desde 2006 pela Fundação Instituto de Pesquisas Econômicas (Fipe), por encomenda da Câmara Brasileira do Livro (CBL) e do Sindicato Nacional dos Editores de Livros (SNEL), a pesquisa Produção e Vendas do Setor Editorial Brasileiro teve sua série histórica atualizada: incluindo os dados apurados em 2017, o dossiê passa agora a compilar os números de doze anos de atividade editorial no país.

Retirados das edições anteriores do estudo, os números de faturamento foram levados a valores de 2017, corrigidos pela variação acumulada do IPCA (Índice de Preços ao Consumidor Amplo), revelando o desempenho real das editoras ano a ano.

O levantamento mostra que o faturamento do setor editorial geral (com vendas para o mercado e para o governo) diminui 21% no comparativo entre 2006 e 2017, o que corresponde a uma perda de R$ 1,4 bilhões.

Após um período de expansão, entre os anos de 2006 e 2011, quando chegaram a faturar cerca de R$ 7 bilhões (em valores constantes de 2017), as editoras viram seu faturamento cair aproximadamente 20% nos últimos três anos, impactadas pela crise que afetou o país a partir de 2015.

No período compreendido entre 2014 a 2017, o subsetor mais afetado foi o de Científicos, Técnicos e Profissionais (CTP), com um decréscimo de 32% em temos reais nas vendas totais (mercado + governo). No comparativo completo (2006 X 2017), a variação chega a -19%.

Apesar de ter a queda mais expressiva nos últimos doze anos (-42%, 2006 X 2017), o segmento de Obras Gerais ensaia uma recuperação de 2016 em diante, quando teve crescimento real de 4% (mercado + governo) de um ano para outro.

O subsetor de Didáticos apresentou uma queda real de 11% de 2006 a 2017. É o segmento com maior participação das vendas ao governo, que responde por cerca de 40% do faturamento do mesmo.

Religiosos continuam apresentando o melhor desempenho entre os quatro segmentos analisados nas vendas para mercado e governo. Praticamente estável, o subsetor teve ligeiro decréscimo de 1% entre 2006 e 2017 e, nos últimos dois anos (2016-2017), registrou aumento real de 2%.

Maio de 2018 – O presidente do SNEL, Marcos da Veiga Pereira, estará presente no seminário profissional “O mercado do livro na América Latina e no mundo francófono”, promovido pela Embaixada da França no Brasil e pelo Escritório Internacional dos Editores Franceses (Bief), no dia 22 de maio, a partir das 9h, na Biblioteca do Consulado da França, Centro do Rio de Janeiro.

Pereira integrará a mesa “Diálogo editor-livreiro: ficção ou realidade”, às 16h, ao lado de Rui Campos, diretor-geral da Livraria da Travessa, e do francês Pierre Myszkowski, responsável pelas relações profissionais do Bief.

“Experiências sobre o preço único do livro” (10h) e “A incidência da venda eletrônica na relação editor-livreiro” (13h30) serão outros temas debatidos no evento, que contará ainda com a participação de nomes como Bernardo Gurbanov, presidente da Associação Nacional de Livrarias (ANL) e Mansur Bassit, secretário da Economia da Cultura, do Ministério da Cultura.

Entre os convidados internacionais estão Yannick Dehée (França), da editora Nouveau Mond; Philippe Goffe (França), presidente da Associação Internacional dos Livreiros Francófonos (AILF); Nicolas Roche (França), diretor-geral do Bief e Ezequiel Izcovich (Argentina), da livraria Las mil y una hojas.

Confira a programação completa do seminário. As inscrições, gratuitas, podem ser feitas pelo e-mail bureaudulivrerio@gmail.com.

SERVIÇO
Seminário profissional “O mercado do livro na América Latina e no mundo francófono”
Dia 22 de maio de 2018
Das 9h às 18h
Espaço Cultural A Maison ((Av. Presidente Antonio Carlos, 58 – 11º andar – Centro – Rio de Janeiro, RJ)

 

 

Maio de 2018 – O quarto período do mercado livreiro analisado em 2018* manteve performance positiva em relação a 2017.

Comparadas ao mesmo intervalo no ano passado, as vendas de livros no país tiveram aumento de 13,95% em faturamento e de 11,51% em volume.

No acumulado do ano**, o mercado permanece com um bom desempenho, crescendo 9,33% em volume e 14,22% em valor, no comparativo com 2017. Um dos destaques no acumulado é a queda do desconto médio, de 3,6 p.p., que indica melhora na margem do varejo.

“Mesmo com uma política de desconto mais conservadora, as vendas de livros continuam aquecidas. O próximo período vai refletir os números do Dia das Mães, uma data importante para o varejo. O mercado deve continuar pensando em estratégias para manter esse ritmo e confirmar um primeiro semestre de crescimento acima da inflação”, comenta Ismael Borges, líder da Nielsen Bookscan Brasil.

Esses são alguns dos dados do 4º Painel das Vendas de Livros no Brasil em 2018, apresentados pelo Sindicato Nacional dos Editores de Livros (SNEL) e pela Nielsen. Os números têm como base o resultado da Nielsen BookScan Brasil, que apura as vendas das principais livrarias e supermercados no país.

Acesse o estudo na íntegra.

* T. Mercado – Período 04: 2017 (27/03 a 23/04/2017) x 2018 (26/03 a 22/04/2018)
** T. Mercado – Acumulado WK01 / WK16: 2017 (02/01 a 23/04/2017) x 2018 (01/01 a 22/04/2018)
Fonte: Nielsen | Nielsen BookScan

Maio de 2018 – Tem início nesta quinta-feira (17) a 2ª edição do LER – Salão Carioca do Livro, que acontece até o dia 20 de maio (domingo) na Biblioteca Parque Estadual, marcando a reabertura do espaço cultural ao público.

Apostando na interatividade, o evento oferecerá oficinas, conversas, saraus, contações de histórias, exposições e bate-papos com renomados autores, além de contar com espaços temáticos para todas as idades. Todas as atividades são gratuitas e terão inscrições prévias pelo site, mas os visitantes também poderão se cadastrar diretamente no local.

Um dos destaques da programação é o espaço Café do Livro, que terá rodas de conversa com nomes como Conceição Evaristo, Thalita Rebouças e Miriam Leitão.

No Palco da Palavra, dedicado a entrevistas, Nei Lopes e Heloísa Buarque de Holanda são alguns dos confirmados.

Já no Espaço Cesgranrio haverá diferentes tipos de ativações, como leituras comentadas, apresentações teatrais e palestras, com a presença de Elisa Lucinda, Martinho da Vila, entre outros artistas.

No Espaço Infantil, oficinas de ilustração, saraus e exibição de animações agitarão o público mirim. E o Espaço #JOVEM reunirá artistas independentes e profissionais do universo das HQs em oficinas de caricatura, roteiro e desenho.

Confira a programação completa e participe!

SERVIÇO
LER – Salão Carioca do Livro
Data: 17 a 20 de maio de 2018
Horário: 10h às 21h
Biblioteca Parque Estadual
Local: Av. Pres. Vargas, 1261 – Centro, Rio de Janeiro – RJ, 20071-004
Entrada gratuita

A apresentação da pesquisa aconteceu no dia 02 de maio de 2018 no Unibes Cultural, em São Paulo. Da esquerda para a direita, o presidente da CBL, Luís Antônio Torelli; o presidente do SNEL, Marcos da Veiga Pereira; a Profª Leda Paulani e a economista Mariana Bueno, da Fipe.

Confira o estudo completo

Editoras dos subsetores de Obras Gerais e Religiosos
tiveram crescimento real em 2017

Didáticos e CTP foram afetados em termos de faturamento, contribuindo para uma queda real de 4,76% do setor editorial brasileiro no ano passado

Em 2017, as editoras brasileiras produziram 393,3 milhões de exemplares, venderam 355 milhões e faturaram R$ 5,17 bilhões.

Os dados são da Pesquisa Produção e Vendas do Setor Editorial Brasileiro ano-base 2017, realizada pela Fundação Instituto de Pesquisas Econômicas (Fipe), a pedido da Câmara Brasileira do Livro (CBL) e do Sindicato Nacional dos Editores de Livros (SNEL). O estudo, que mapeou a performance do setor editorial e de seus quatro subsetores em 2017, ouviu 202 editoras do país, sendo 187 emparelhadas ao ano anterior, o que representa 69% do setor editorial em faturamento.

Considerando as vendas para mercado e governo, as editoras dos subsetores¹ de Obras Gerais e de Religiosos tiveram o melhor resultado: um crescimento nominal de 6,83% (3,77% real) e 4,61% (1,61% real) no faturamento, respectivamente.

Já o subsetor de Didáticos, com queda real de 10,43%, e o de CTP (Científicos, Técnicos e Profissionais), com recuo de 1,39%, foram os mais afetados em termos de faturamento, contribuindo para o fechamento negativo do setor como um todo em 2017. Em comparação a 2016, o faturamento total das editoras apresentou uma queda real de 4,76%, considerando a variação do IPCA de 2,95% no período.

Considerando somente as vendas de livros ao mercado (R$ 3,9 bilhões), o setor apresentou um crescimento nominal de 2,03% em valor, o que significa um decréscimo real de 0,89%. Já com as vendas para o governo², o faturamento foi de R$ 1,22 bilhão (-12,99% em relação a 2016).

¹Didáticos; Científicos, Técnicos e Profissionais (CTP); Obras Gerais e Religiosos. Os subsetores dizem respeito às editoras e não ao tipo de livro comercializado, ou seja, se referem à categoria que corresponde à maior parte do faturamento autodeclarado pela editora.
²Em 2017, o Governo Federal comprou livros para o Ensino Médio e fez reposição dos livros do Ensino Fundamental 1 e Ensino Fundamental 2. Em 2016, comprou livros para o Ensino Fundamental 2 e fez reposição dos livros do Ensino Fundamental 1 e Médio.

Produção: subsetores e áreas temáticas

A pesquisa indica que foram editados 48,88 mil títulos em 2017, dos quais 16,1 mil correspondem a lançamentos. O total de títulos (ISBN) teve queda de 5,67%. Levando em conta apenas os novos, o recuo foi de 7,45%.

Já o total de exemplares (volume) produzidos caiu 7,94% em 2017.

No tocante às áreas temáticas apuradas, os livros didáticos, de religião, literatura adulta, autoajuda e literatura infantil lideram o top 5 da produção total de obras nacionais em 2017. Apesar de apresentarem maior representatividade, entre os cinco principais, somente os livros religiosos tiveram um ligeiro crescimento de 1,99% em comparação a 2016, o que corresponde a 90.576.879 exemplares totais. Os didáticos sofreram queda de 13,3% no volume.

Nos gêneros da categoria Científicos, Técnicos e Profissionais, também houve menos exemplares produzidos: os recuos mais acentuados foram nos segmentos de informática, computação e programação (-43,51%), medicina, farmácia, saúde pública e higiene (-17,98%) e direito (-14,85%).

Mesmo com menor participação na produção total, as biografias, por outro lado, tiveram um crescimento expressivo de 11,14% em comparação ao ano passado, o que corresponde a 5,71 milhões de exemplares no total.

A pesquisa ainda destaca que a quantidade de exemplares produzidos de autores nacionais aumentou 3,65%, enquanto os livros traduzidos tiveram queda de 18,87%, levando em conta somente os novos números de ISBN.

Como o livro chega ao leitor

As livrarias, com 118,09 milhões de exemplares vendidos, ou 53,11% do total comercializado no mercado (excluindo-se governo), seguiram como o principal canal de venda das editoras, em 2017. Os distribuidores responderam por 35,75 milhões de livros, o equivalente a 16,08% do mercado. O segmento porta-a-porta teve participação importante, de 7,94%, com 17,66 milhões de livros.

A comercialização em igrejas, templos, supermercados e escolas, além de livros comprados por empresas, também tem relevância. Já em livrarias exclusivamente virtuais a participação foi de 2,91% do total, o que significa um crescimento de 17,77% em relação ao ano anterior.

Apresentação

Release

Abril de 2018 – O Sindicato Nacional dos Editores de Livros participará da programação da 13ª Feira Nacional do Livro de Poços de Caldas (Flipoços), em Minas Gerais, que acontece de 28 de abril a 06 de maio.

No dia 29 de abril (domingo), às 10h, o SNEL é responsável pela curadoria da mesa técnica “O novo PNLD Literário pela ótica editorial à luz da BNCC – Base Nacional Comum Curricular”, no Teatro Benigno Gaiga. O encontro contará com a presença do Coordenador-geral dos Programas do Livro do FNDE, Wilson Troque, e dos editores Suzana Sanson (Brinque-Book) e Emerson Walter dos Santos (Positivo), membros da Diretoria do SNEL.

A Leia.Seja., campanha de incentivo à leitura do SNEL, também estará representada no evento em Poços de Caldas, com cartazes temáticos nos estandes da feira e com a distribuição de brindes na mesa do escritor goiano Lucão (dia 28, às 15h, na Arena Cultural), na contação de histórias com Davi Daniel e Pamela Mira (dia 2, às 14h, no Pátio do Museu), e no debate sobre literatura policial com os autores Marcos DeBrito e Victor Bonini, (dia 3, às 19h, no Teatro da Urca).

Escritores, editores e personalidades que passarem pelo evento serão convidados a gravar depoimentos sobre livros que marcaram suas vidas e a compartilhar dicas de leitura nas redes sociais com a hashtag #LeiaSeja. Os vídeos serão publicados na fanpage da campanha no Facebook.

Confira a programação completa da feira:

http://www.flipocos.com/paginas/JORNALVIRTUAL.pdf

Procure as ações do SNEL no Flipoços e participe!

PROMOÇÕES IMPULSIONAM AS VENDAS NA SEMANA DO CONSUMIDOR E MERCADO LIVREIRO CRESCE 14,28% NO 1º TRIMESTRE DE 2018

Abril de 2018 – As ações promocionais da semana do Dia do Consumidor (15 de março) aqueceram o mercado livreiro, impulsionando as vendas do terceiro período (3T)*, que manteve a curva ascendente do ano de 2018.

As vendas em exemplares foram o grande destaque, com crescimento de 17,75% em comparação ao mesmo período em 2017. Além disso, superaram o volume identificado em janeiro deste ano, época que concentra a venda de livros didáticos.

Um dos principais índices deste período foi o aumento do desconto médio de 7,07% pp em relação ao anterior (2T/2018). No entanto, esse desconto ainda foi inferior ao praticado no mesmo período do ano passado (3T/2017), o que resultou em um modesto crescimento no preço médio do livro (1,05%) e num faturamento 18,98% maior.

O bom desempenho verificado no 3T teve reflexo positivo no acumulado do ano: o mercado livreiro cresceu 8,76% em volume e 14,28% em valor no 1º trimestre de 2018, no comparativo com 2017.

O ponto alto foi a performance das categorias “Não Ficção Especialista” e “Não Ficção Trade”, maiores responsáveis pelos bons números neste intervalo.

“A semana do consumidor e o Dia Internacional da Mulher passaram a compor o calendário promocional do livro. O desconto se mostra uma ferramenta para vender mais nestes dias analisados, apesar de não ter sido maior que o do ano anterior. A sensação é que as livrarias se prepararam com antecedência e colheram bons resultados”, comenta Ismael Borges, líder da Nielsen Bookscan Brasil.

Esses são alguns dos dados do 3º Painel das Vendas de Livros no Brasil em 2018, apresentados pelo Sindicato Nacional dos Editores de Livros (SNEL) e pela Nielsen. Os números têm como base o resultado da Nielsen BookScan Brasil, que apura as vendas das principais livrarias e supermercados no país.

Veja o estudo na íntegra.

* T. Mercado – Período 03: 2017 (27/02 a 26/03/2017) x 2018 (26/02 a 25/03/2017)
** T. Mercado – Acumulado WK01 / WK12: 2017 (02/01 a 26/03/2017) x 2018 (01/01 a 25/03/2017)
Fonte: Nielsen | Nielsen BookScan

voltar