Abril de 2018 – O Fundo Nacional de Desenvolvimento da Educação (FNDE) publicou nesta segunda-feira (02) o Programa Nacional do Livro e do Material Didático  – PNLD 2018 Literário, chamado de “edital transitório”, por meio do qual o governo comprará livros de literatura para a Educação Infantil, para os anos iniciais do Ensino Fundamental e para Ensino Médio.

Na última quinta-feira (29), o FNDE já havia anunciado o lançamento do edital que determina as regras para a compra de livros do Programa Nacional do Livro e do Material Didático (PNLD) de 2020, para os alunos do Ensino Fundamental (6º ao 9º ano).

Acesse os editais na íntegra:

Edital PNLD 2018 Literário
Edital PNLD 2020

Março de 2018 – O fechamento do segundo período* de 2018 para o mercado livreiro confirmou a boa campanha de vendas de volta às aulas e manteve importante avanço em comparação ao ano anterior.

As vendas em volume cresceram 4,73%, enquanto o faturamento continuou na casa dos dois dígitos, com 10,42%. Esse intervalo também foi marcado pela forte presença dos produtos de volta às aulas, inclusive universitários, com preços mais altos e descontos menores.

No acumulado do ano, o mercado totalizou um aumento de 4,45% das vendas em exemplares, com faturamento 12,32% maior.

Tendo em vista que a inflação em 12 meses foi de 2,84%, a perspectiva é de um ano de recuperação gradativa, de acordo com Ismael Borges, líder da Nielsen Bookscan Brasil. “Chama a atenção a combinação de preço médio mais alto associado a um nível de desconto baixo, inclusive para o período. Uma boa fórmula para garantir um melhor faturamento”, comenta.

Esses são alguns dos dados do 2º Painel das Vendas de Livros no Brasil em 2018, apresentados pelo Sindicato Nacional dos Editores de Livros (SNEL) e pela Nielsen. Os números têm como base o resultado da Nielsen BookScan Brasil, que apura as vendas das principais livrarias e supermercados no país.

Veja o estudo completo.

* T. Mercado – Período 02: 2017 (30/01 a 26/02/2017) x 2018 (29/01 a 25/02/2017)
** T. Mercado – Acumulado WK01 / WK08: 2017 (02/01 a 26/02/2017) x 2018 (01/01 a 25/02/2017)
Fonte: Nielsen | Nielsen BookScan

Fevereiro de 2018 – As primeiras quatro semanas* de 2018 foram importantes para o mercado livreiro, que registrou melhora em sua performance em comparação aos resultados de 2017.

As vendas em volume cresceram 4,19%, enquanto o faturamento subiu dois dígitos: 14,05%. Esses números são reflexo do período de voltas às aulas, que aponta uma combinação de produtos com preços médios mais altos e menos promocionados – o que resultou em uma queda do desconto médio de 2,8 pontos percentuais.

Segundo Ismael Borges, líder da Nielsen Bookscan Brasil, “no início do ano é sempre importante lembrar do efeito da campanha de volta às aulas, mas é notável que começamos 2018 com uma base de crescimento melhor do que a verificada no ano anterior, favorecida pelo cenário macroeconômico.”.

Esses são alguns dos dados do 1º Painel das Vendas de Livros no Brasil em 2018, apresentados pelo Sindicato Nacional dos Editores de Livros (SNEL) e pela Nielsen. Os números têm como base o resultado da Nielsen BookScan Brasil, que apura as vendas das principais livrarias e supermercados no país.

Veja o estudo na íntegra.

* T. Mercado – Período 01: 2017 (02/01 a 29/01/2017) x 2018 (01/01 a 28/01/2017)
** T. Mercado – Acumulado WK01 / WK04: 2017 (02/01 a 29/01/2017) x 2018 (01/01 a 28/01/2017)
Fonte: Nielsen | Nielsen BookScan

Fevereiro de 2018 – Foi estendido o prazo para a entrega do questionário da Pesquisa Produção e Vendas do Setor Editorial Brasileiro ano-base 2017. As editoras terão até o dia 02 de março para participar do diagnóstico sobre a produção editorial brasileira realizado anualmente pela Fundação Instituto de Pesquisas Econômicas (Fipe), a pedido da CBL e do SNEL.

Até o momento, mais de 90 editoras já responderam ao questionário da pesquisa, disponível no link: http://pesquisaeditoras.fipe.org.br/Questionarios

“Agradecemos a todas as editoras que enviaram suas respostas dentro do primeiro prazo. A cada ano buscamos antecipar os resultados deste estudo que beneficia todo o setor”, diz Marcos da Veiga Pereira, presidente do SNEL.

“A participação é fundamental para que o diagnóstico seja o mais preciso possível, servindo de base para as tomadas de decisões e avaliações de oportunidades das editoras”, afirma Luis Antonio Torelli, presidente da CBL

Não é é necessário responder ao questionário de uma única vez; é possível salvar os dados já inseridos. Caso o usuário queira alterar alguma informação em sua resposta após tê-la enviado, basta entrar em contato com a Fipe para que o acesso seja novamente liberado.

Qualquer dúvida, a editora deve entrar em contato com Mariana Bueno, preferencialmente pelo e-mail cbl-snel@fipe.org.br, ou pelo telefone (11) 3091-5823, entre 14h e 18h.

Sindicato Nacional dos Editores de Livros apresenta Portal do Livro Acessível

Criada em atendimento à Lei Brasileira de Inclusão, plataforma on-line auxilia leitores com deficiência visual na busca por obras em formatos acessíveis junto às editoras

O presidente do SNEL, Marcos da Veiga Pereira (à esquerda) apresentou o Portal do Livro Acessível ao lado do consultor jurídico da entidade, Dr. Gustavo Martins, e de representantes da Fundação Dorina Nowill e Iguale, desenvolvedores da plataforma.

Janeiro de 2018 – O Sindicato Nacional dos Editores de Livros (SNEL) apresentou nesta quarta-feira (31) o Portal do Livro Acessível (www.livroacessivel.org.br), cujo objetivo é auxiliar o leitor com deficiência visual que deseja comprar obras em formatos acessíveis, facilitando o seu contato com as editoras responsáveis pelas publicações.

Na plataforma on-line, o leitor poderá registrar pedidos de livros acessíveis, que serão direcionados para as editoras que detêm os direitos da obra. Caso o título solicitado esteja em catálogo, a editora deverá informar em quais canais de venda a obra acessível pode ser encontrada.

“Toda a comunicação entre o leitor com deficiência visual e a editora será realizada através da plataforma e mediada pela equipe de atendimento do Portal, que está à disposição para esclarecer dúvidas sobre os títulos solicitados”, explica Marcos da Veiga Pereira, presidente do SNEL. “A comercialização do livro acessível, no entanto, não acontece no ambiente do Portal. A indicação da loja virtual onde a compra pode ser feita e a efetivação da mesma são de responsabilidade da editora, que poderá cobrar no máximo o mesmo preço de capa do livro físico”, pontua.

Criado em consonância com a Lei 13.146 (Lei Brasileira de Inclusão da Pessoa com Deficiência – LBI), em vigor desde janeiro de 2016, o Portal foi desenvolvido em linguagem acessível com a chancela da empresa Iguale, especializada em comunicação e acessibilidade, e da Fundação Dorina Nowill, referência em inclusão social de pessoas com deficiência visual.

A plataforma é fruto de um acordo entre o Sindicato Nacional dos Editores de Livros e o Ministério Público Federal, a partir de um Termo de Ajustamento de Condutas (TAC) da LBI, que determina a disponibilização de obras acessíveis a leitores com deficiência visual. Assinado pela entidade em julho de 2017, o TAC já recebeu a adesão de 40 editoras brasileiras até o momento.

De acordo com os critérios do TAC, que regem legalmente as práticas do Portal, só poderão ser disponibilizados livros que fazem parte do catálogo das editoras – títulos esgotados ou cujos direitos de publicação estejam vencidos não serão válidos.

Para participar do Portal e poder atender o leitor através da plataforma, a editora precisa ser signatária do Termo de Ajustamento de Conduta, que pode ser acessado na íntegra na seção Editoras Aderentes (livroacessivel.org.br/editoras-aderentes), com o passo a passo para sua adesão. Dúvidas sobre o procedimento podem ser encaminhadas para livroacessivel@snel.org.br e atendimento@livroacessivel.org.br.

A assinatura do TAC garante às editoras um prazo para que as obras sejam produzidas e comercializadas aos leitores solicitantes, que pode variar de cinco dias úteis até 60 dias corridos dependendo de seu formato ou tiragem, condição exclusiva para as empresas aderentes.

Há mais de dois anos, o Sindicato Nacional dos Editores de Livros vem atuando no fomento de debates que visam à conscientização e à ampliação da oferta de livros acessíveis a pessoas com deficiência, como importante medida de inclusão social e de cidadania, a fim de colaborar com as atividades do setor editorial em conformidade com as medidas previstas na legislação.

“A firmação do TAC e o compromisso com o Portal do Livro Acessível são resultado de extensa negociação entre o SNEL e o MPF e uma iniciativa de grande relevância para o setor editorial e para a sociedade, no sentido de caminhar em acordo com o que Lei Brasileira de Inclusão determina, em prol de uma nação leitora mais inclusiva”, afirma Marcos da Veiga Pereira.

Janeiro de 2018 – O último período de 2017 foi positivo para o mercado livreiro, ajudando as vendas a fecharem o ano no azul. A semana do Natal*** foi particularmente importante, ao apresentar crescimento de 16% em faturamento e 10% em volume em comparação à mesma semana de 2016. Esse bom desempenho influenciou os números do 13º período*, que mostraram estabilidade no volume de livros vendidos (+0,24%), mas apontaram crescimento em valor (+4,97%).

Somado ao total de 2017**, o período* analisado (13T) contribuiu para que o acumulado do ano fechasse com aumento das vendas em volume (4,55%, que equivalem a aproximadamente 1,8 milhões de exemplares) e em faturamento (6,15%, correspondentes a cerca de R$ 100 milhões) – números superiores à inflação e à expectativa de crescimento do PIB.

“O mercado do livro tem muito o que comemorar. Desde que iniciamos a série histórica com o Bookscan, em 2013, este é o primeiro ano que vemos resultados financeiros positivos e acima da inflação. As ações promocionais foram um dos principais impulsionadores dessa performance, pois os períodos com maior crescimento (3T e 9T) tiveram influência do aumento do desconto médio”, comenta Ismael Borges, líder da Nielsen Bookscan Brasil.

Esses são alguns dos dados do 13º Painel das Vendas de Livros no Brasil em 2017, divulgados pelo Sindicato Nacional dos Editores de Livros (SNEL) e pela Nielsen. Os números têm como base o resultado da Nielsen BookScan Brasil, que apura as vendas das principais livrarias e supermercados no país.

Acesse o estudo na íntegra.

* T. Mercado – Período 13: 2016 (05/12 a 01/01/2017) x 2017 (04/12 a 31/12/2017)
** T. Mercado – Acumulado WK01 / WK52: 2016 (04/01 a 01/01/2017) x 2017 (02/01 a 31/12/2017)
*** T. Mercado – WK 201751 x 201651
Fonte: Nielsen | Nielsen BookScan

Da esquerda para direita, o presidente do SNEL, Marcos da Veiga Pereira; a Profª Leda Paulani e a economista Mariana Bueno, da Fipe; e Fernanda Garcia, Diretora da CBL, na apresentação da última edição da pesquisa.

Janeiro de 2018 – Como acontece todo ano, chegou a hora de elaborar o diagnóstico sobre o desempenho da produção editorial brasileira em 2017, realizado pela Fundação Instituto de Pesquisas Econômicas (Fipe), a pedido do SNEL e da Câmara Brasileira do Livro.

O questionário da pesquisa Produção e Vendas do Setor Editorial Brasileiro (ano-base 2017) já está disponível no link: http://pesquisaeditoras.fipe.org.br/Questionarios  A participação das editoras é imprescindível para o sucesso deste estudo que beneficia todo o setor.

Cabe destacar que o questionário não precisa ser respondido de uma única vez, o usuário pode salvar os dados já inseridos.

Caso o usuário queira alterar alguma informação após tê-la enviado, basta entrar em contato com a Fipe para que o acesso seja novamente liberado.

Qualquer dúvida, entre em contato com Mariana Bueno, preferencialmente pelo e-mail cbl-snel@fipe.org.br, ou pelo telefone (11) 3091-5823, entre 14h e 18h.

O prazo para o preenchimento do questionário vai até o dia 09 de fevereiro de 2018.
Não deixe de participar!

Dezembro de 2017 – A Black Friday de 2017 para o mercado livreiro apresentou resultados parecidos com a edição de 2016 em termos de volume (dados reportados na tabela abaixo).

BF 2016   BF 2017 Variação
1.490.532 Volume 1.480.963 -0,64%
R$ 43.396.858,35 Faturamento R$ 47.657.036,85 9,82%

Já o faturamento foi superior (9,8%), devido ao crescimento do preço médio ofertado.

Comparando apenas a semana da Black Friday com a média de vendas das quatro semanas anteriores ao evento, houve um incremento em volume de 121% e de 83% em faturamento.

Esse bom desempenho das vendas contribuiu para que o mercado livreiro analisado no 12º período de 2017* apresentasse um crescimento de quase 30% em relação ao período anterior (11T)**, como mostra a tabela a seguir.

Volume Valor
Período 12 x 11 37,50% 28,79%

Na comparação com o mesmo intervalo em 2016, no entanto, a performance geral do 12º período apontou um resultado negativo em volume (-3,10%), e um faturamento de +2,94%.

Mesmo assim, no comparativo 2017 X 2016, o acumulado do ano*** mostra um crescimento de 4,9% em volume e de 6,29% em faturamento, indicando que o mercado livreiro deve fechar no azul em 2017.

Esses são alguns dos dados do 12º Painel das Vendas de Livros no Brasil em 2017, retratados pelo Sindicato Nacional dos Editores de Livros (SNEL) e pela Nielsen. Os números têm como base o resultado da Nielsen BookScan Brasil, que apura as vendas das principais livrarias e supermercados no país.

Confira o estudo na íntegra.

* T. Mercado – Período 12: 2016 (07/11 a 04/12/2016) x 2017 (06/11 a 03/12/2017)
** T. Mercado – Período 11`2017: 09/10 a 05/11/2017
*** T. Mercado – Acumulado WK01 / WK48: 2016 (04/01 a 04/12/2016) x 2017 (02/01 a 03/12/2017)
Fonte: Nielsen | Nielsen BookScan

Marcos da Veiga Pereira é reconduzido à presidência do Sindicato Nacional dos Editores de Livros

Nova diretoria tomou posse nesta quarta-feira (13), em sessão ordinária na sede da entidade no Rio de Janeiro; para segundo mandato, presidente reforça compromisso com o crescimento e a profissionalização da indústria editorial

Encabeçando a chapa-única eleita em assembleia no dia 08 de novembro, Marcos da Veiga Pereira foi reconduzido à presidência do Sindicato Nacional dos Editores de Livros por mais um triênio (2017-2020). A posse aconteceu nesta quarta-feira (13), em sessão ordinária na sede da entidade no centro do Rio de Janeiro.

A diretoria eleita tem três novos membros: Duval Guimarães (Somos Educação), Patricia Hespanha (HarperCollins Brasil) e Jose Maria Calvin Lechuga (Planeta). Paulo Lima (L&PM), Jorge Carneiro (Ediouro) e Jorge Oakim (Intrínseca) deixam o colegiado.

Assim, permanecem como diretores do SNEL Mariana Zahar (Zahar), Mauro Koogan Lorch (Guanabara Koogan), Eduardo Salomão (Imago), Suzana Sanson (Brinque Book), João Paulo Rocco (Rocco), Amarylis Manole (Manole), Martha Ribas (Casa da Palavra), Roberta Machado (Record), Mauro Palermo (Editora Globo), Renato Fleischner (Mundo Cristão), Emerson Santos (Positivo), Dante Cid (Elsevier) e Sérgio Windholz (Companhia das Letras).

O presidente do SNEL Marcos da Veiga Pereira (de azul marinho, ao centro), ao lado dos membros da Diretoria da entidade

Para o segundo mandato, Marcos (Sextante) renova o compromisso da entidade com o crescimento e a profissionalização da indústria editorial. “Vamos continuar investindo na divulgação do valor do livro e da leitura, aperfeiçoando os estudos e análises de mercado e mantendo nosso papel atuante nas relações com Estado e sociedade em prol de uma nação mais leitora”, afirmou o presidente do SNEL, ao sintetizar os três eixos fundamentais que seguirão norteando a próxima gestão.

Na solenidade, Marcos relembrou os destaques do último triênio e detalhou os desdobramentos que as pautas de sua plataforma de trabalho terão.

Pesquisas de mercado

Quanto à transparência dos dados e ao mapeamento do mercado livreiro no país, atentou para a série histórica da pesquisa Produção e Vendas do Setor Editorial Brasileiro, realizada pela Fundação Instituto de Pesquisas Econômicas (Fipe) e divulgada conjuntamente com a Câmara Brasileira do Livro (CBL) há mais de uma década, além do Censo do Livro Digital, apresentado em 2017.

Segundo ele, a principal criação de sua primeira gestão foi o Painel de Vendas de Livros, em parceria com a Nielsen Bookscan Brasil, que se consolidou como importante fonte de informação para profissionais do setor editorial, jornalistas e pesquisadores, e deve ganhar novidades:  “A exemplo da pesquisa feita pela Fipe, o Painel das Vendas se tornou um documento bastante aguardado e consultado a cada mês. Agora pretendemos incorporar recortes mais específicos em seus relatórios, como vendas por região do país e por gêneros”, disse.

Outra iniciativa mencionada foi a aproximação do SNEL com a empresa Yandeh, especializada em Business Intelligence, para desenvolver um sistema de monitoramento de vendas: “Em 2018, lançaremos este projeto com o objetivo de aprimorar a comunicação entre editores e livreiros, expandindo os conhecimentos disponíveis sobre os canais de comercialização, e permitindo maior eficiência e transparência nas relações”.

Preço Fixo do Livro e valorização da leitura

Entre as bandeiras que permanecem no foco do Sindicato, Marcos ressaltou o PLS 49/2015 da “Lei do Preço Fixo do Livro”, aprovado na Comissão de Constituição, Justiça e Cidadania (CCJ) do Senado em agosto de 2017, com um relatório que acatou todas as emendas propostas pelas entidades do livro. “O avanço do projeto de lei no Congresso Nacional foi uma das nossas grandes conquistas na última gestão e continuaremos batalhando pela aprovação nas próximas instâncias, já que é um assunto ligado ao propósito da valorização do livro. Estamos atentos e à disposição para atuar junto à população, esclarecendo dúvidas que certamente virão”, pontuou.

Um tema de grande atenção para a entidade também é a Lei Brasileira de Inclusão da Pessoa com Deficiência (LBI), promulgada em julho de 2015 e em vigor desde janeiro de 2016: “O SNEL liderou a negociação com o Ministério Público Federal, no sentido de atender aos interesses de editores e da sociedade, e produzirá um Portal para o direcionamento dos pedidos de livros acessíveis, que entrará no ar no início de 2018”.

O presidente do SNEL enfatizou ainda os esforços voltados para a difusão do papel transformador da leitura, “num momento em que o país atravessa uma crise de valores e de ética”:  “Em 2017 conseguimos realizar a bela campanha Leia.Seja. com a missão de resgatar nas pessoas a paixão pelas boas histórias e seus personagens marcantes, através do exemplo de personalidades reconhecidas pelo público em geral. Este será um projeto permanente do SNEL, pois acreditamos que temos o compromisso de colocar o livro em evidência na sociedade”.

Relações com o governo

Ao término de uma gestão que viu a concretização de vitórias importantes para o setor editorial, como a Lei das Biografias e a imunidade tributária para os livros eletrônicos, Marcos reitera a criação de uma agenda proativa nas relações com o governo para o novo mandato. “É necessário discutirmos a fundo sobre o papel do Estado na promoção da leitura. Buscamos um estreitamento do diálogo com o MinC em temas como o núcleo de bibliotecas públicas federais, por exemplo, e também com o MEC, que reduziu a compra governamental dos livros de literatura. Precisamos com urgência de um novo modelo de estímulo à leitura nas escolas, pois entendemos que é lá que está a revolução”, concluiu.

Dezembro de 2017 – O presidente do Sindicato Nacional dos Editores de Livros, Marcos da Veiga Pereira, concedeu ao Canal Futura uma entrevista sobre os números  do 11º Painel das Vendas de Livros no Brasil (Snel/Nielsen), que apontou um aumento de 6,6% no faturamento do mercado livreiro este ano, em comparação ao mesmo período em 2016. No papo com a repórter Eliane Benício, Pereira destacou ainda a campanha Leia.Seja., uma iniciativa da entidade que vem promovendo a valorização do livro e da leitura no país.

Clique na imagem abaixo para assistir à entrevista na íntegra:

voltar