Dezembro de 2018 – Em cerimônia realizada nesta segunda-feira (10), em São Paulo, o Instituto Pró-Livro (IPL) anunciou os 12 vencedores do Prêmio IPL – Retratos da Leitura. Foram reconhecidos projetos de incentivo e fomento à leitura de seis estados diferentes: Ceará, Minas Gerais, Paraná, Rio Grande do Norte, Rio de Janeiro e São Paulo.

Em seu discurso, Luís Antonio Torelli, presidente da entidade, comemorou o crescimento da Plataforma Pró-Livro, lançada em 2017 para reunir projetos do gênero e que serve de base para a seleção dos candidatos ao prêmio. “A Plataforma Pró-Livro hoje já tem mais de 600 projetos cadastrados e, o intercâmbio entre as entidades com suas iniciativas tem cada vez mais se fortalecido. Há muito o que fazer, mas precisamos celebrar as conquistas. Certamente os prêmios entregues hoje trarão muito mais prestígio aos vencedores e torcemos para que conquistem o leitor brasileiro”, disse.

O prêmio é dividido em quatro categorias: Bibliotecas, Cadeia Produtiva, Mídia e Organizações Sociais Civis. Em cada uma delas foram selecionados dez finalistas dentre os quais, foram reconhecidos três projetos ganhadores.

Os premiados na categoria Bibliotecas desta terceira edição foram: a Biblioteca Comunitária Caminhos da Leitura (SP), mantida pelo Instituto Brasileiro de Estudos e Apoio Comunitário Queiróz Filho (IBEAC); o projeto Parnamirim, um Rio que Flui para o Mar da Leitura (RN), organizado pela Biblioteca Pública Municipal Rômulo Wanderley e a Rede Baixada Literária (RJ), da Associação Comitê Ponto Chic (ACOPC).

Em Cadeia Produtiva, os três ganhadores foram a Caravana Teatral do Livro em Cena (PR), do Pró-Arte Movimento; o Festival Literário de Poços de Caldas (MG), realizado pela GSC Eventos Especiais e o Programa Myra – Juntos pela Leitura (SP), mantido pela Fundação SM Brasil.

Na categoria Mídia, os ganhadores foram o Jornal Joca (SP), a revista Quatro Cinco Um (SP) e o projeto Vá ler um Livro (SP). Em Organizações Sociais Civis, os vencedores foram o Clube de Leitura Quilombo Mirim (SP), do Núcleo de Jovens Políticos e os projetos Leituras na Praça (CE), mantido pelo Departamento de Letras Estrangeiras da Universidade Federal do Ceará e Piracaia na Leitura (SP), do Instituto Cultura Etc.

Foram concedidas ainda duas menções de Honra ao Mérito à Biblioteca Parque Villa-Lobos (SP) e ao projeto Livro, Leitura, Literatura e Bibliotecas para Todos (SP).

Cada projeto vencedor recebeu o troféu do Prêmio IPL e os finalistas receberam o selo de participação no Prêmio.

(Fonte: PublishNews)

O editor Julio Silveira, à esquerda, e o presidente do SNEL, Marcos da Veiga Pereira, participaram da seção ‘Concordamos em discordar’, da revista Época (Crédito: Reprodução)

Dezembro de 2018 – A revista Época desta sexta-feira (07) trouxe uma entrevista com o presidente do SNEL, Marcos da Veiga Pereira, que, ao falar sobre a crise no mercado livreiro brasileiro, apresentou seu ponto de vista favorável à regulação do comércio de livros no país.

O papo foi publicado na seção “Concordamos em discordar”, em que duas personalidades com visões divergentes respondem às mesmas perguntas sobre um tema específico – neste caso, os desafios e possíveis soluções frente ao difícil momento que setor do livro atravessa. O editor e curador Julio Silveira participou do quadro, expondo uma opinião diferente sobre o assunto.

Confira a entrevista completa.

Dezembro de 2018 – Embarcando na campanha #DesafioDasLivrarias, que ganhou as redes sociais na última semana, Pedro Bial divulgou nesta quinta-feira (06) o vídeo “Use Livros”, uma nova versão para o clássico “Use Filtro Solar”, texto famoso na voz do jornalista e apresentador.

Na abertura da mensagem que exalta o valor do livro, Bial anuncia: “Senhoras e senhores do ano de 2019: livros, nunca deixem de usar livros! Se eu pudesse dar uma dica sobre o futuro seria esta: usem os livros!”.

O vídeo segue com uma série declarações de afeto sobre os encantos da leitura. Nas palavras do apresentador, livros “são máquinas de viajar no tempo”  que “aproximam as pessoas e os continentes”. “São a melhor ponte com o passado e guardam o futuro”, ressalta ele, que em 2017 foi um dos protagonistas da campanha Leia.Seja., criada pelo Sindicato Nacional dos Editores de Livros.

A hashtag lançada por Marcos da Veiga Pereira, presidente do Snel e sócio da Editora Sextante, também chegou até Astrid Fontenelle, que foi desafiada pelo colega Zeca Camargo a fazer sua homenagem às livrarias.

No programa “Saia Justa” que foi ao ar ao vivo pela GNT na última quarta-feira, a apresentadora incentivou o público a dar livros de presente neste Natal e a frequentar livrarias. “Vá à livraria, é sempre um lugar mágico. A gente tem essa batalha neste final de ano que é a sobrevivência das livrarias brasileiras”, afirmou Astrid, que desafiou no ar Pitty, Monica Martelli, Gaby Amarantos e Nathalia Timberg.

 

 

Dezembro de 2018 – Depois dos manifestos dos editores em prol do livro que na última semana, é a vez de as livrarias Leitura, Cultura, da Vila, Curitiba e Saraiva, junto com a Associação Nacional de Livrarias (ANL), se unirem no movimento #VempraLivraria. Lançada nesta terça-feira (04), ação tem como objetivo estreitar a relação do público com esses espaços que reúnem conhecimento, histórias e momentos especiais, além de incentivar a compra do livro como presente.

Trata-se de uma iniciativa unificada das livrarias, mas que também envolve editoras parceiras. Além da ação integrada entre as marcas citadas, o movimento também convida a todos que queiram se juntar à causa e usar a hashtag da ação em suas redes sociais e materiais de ponto de venda. As artes podem ser baixadas no site da ANL.

Para motivar as pessoas a ocupar as livrarias, as lojas vão contar com ações de interação com o público. Um painel instalado em cada um desses espaços vai permitir que os leitores declarem seu amor pelos livros.

A ação conta com uma série de iniciativas no meio digital. Nas redes sociais, o público vai poder aplicar em sua imagem de perfil do Facebook a hashtag #vempralivraria, que ficará disponível nas páginas de cada livraria participante com o passo a passo de como aderir. No Instagram, as marcas vão incentivar o público a contar histórias com seus livros preferidos, autores e momentos nas livrarias, usando a hashtag.

Depoimentos

“A Associação Nacional de Livrarias (ANL) abraça o movimento #Vempralivraria por acreditar na importância do varejo do livro em nosso país. A comunhão entre o Leitor, a Livraria e o Livro é a dose exata para o sucesso. A promoção do gosto pela leitura não é somente uma questão técnica, ela deve estar acompanhada de emoção e afeto. Um gesto simples como presentear alguém com um livro pode mudar para melhor o curso de uma vida”, reforça Bernardo Gurbanov, Presidente da Associação Nacional de Livrarias (ANL).

“Nós da Livraria Leitura, acreditamos que em tempos difíceis é que são forjadas as melhores ideias e soluções. Preferimos reafirmar nossa crença inabalável na força desse mercado e do seu principal produto: o livro. Temos a convicção de que o livro seguirá encantando gerações e difundindo nossos conhecimentos, histórias e cultura. E são movimentos como o #Vempralivraria é que me trazem a certeza de que o mercado se readequará e o livro resistirá, pois não existe rede de proteção maior do que a formada por tantos leitores apaixonados”, afirma Marcus Teles, Presidente da rede Leitura.

“A Livraria Cultura entra nessa corrente em favor do livro e dos leitores. É uma iniciativa muito importante, na contramão desses tempos desafiadores para o setor. #vempralivraria está em sintonia com os nossos compromissos, aqui na empresa, de incentivar a leitura, disseminar o conhecimento, abrir o diálogo, visando sempre o aprimoramento do ser humano”, diz Sergio Herz, CEO da Livraria Cultura.

“A Livraria da Vila acredita no conhecimento como ferramenta para mudanças. Acreditamos que, com livros e educação, conquistamos o senso crítico necessário para melhorar nossas vidas. Precisamos formar novos leitores e, para isso, mais livrarias são fundamentais. É preciso despertar o interesse pela leitura. O movimento #VemPraLivraria faz parte dessa mobilização em prol do saber”, ressalta Flavio Seibel, Diretor Comercial da Livraria da Vila. Então, neste Natal, deem livros de presente. E vamos todos ler juntos”, convoca.

“Estimular as pessoas a visitar livrarias, conhecer a ampla variedade de obras disponíveis a todos os perfis de leitores e assim fomentar o amor aos livros é sempre uma ação bem-vinda”, conta Marcos Pedri, diretor comercial da Livrarias Curitiba.

“Como promotores da transformação por meio do acesso à cultura, à educação e à leitura, temos a responsabilidade de incentivar e criar movimentos motivadores, como o #Vempralivraria. Queremos juntos, como nossos parceiros de mercado e fornecedores, mobilizar um grande número de pessoas para que visitem as livrarias e deem livros como presente”, explica Jorge Saraiva Neto, diretor-presidente da Saraiva.

Fonte: Associação Nacional de Livrarias (ANL)

Dezembro de 2018 – Um lugar onde as mais variadas histórias se encontram e vivenciá-las está ao alcance de todos. A Bienal Internacional do Livro Rio é esse ambiente mágico e múltiplo, que dá asas à imaginação de crianças, adolescentes, adultos e idosos com gostos e interesses totalmente diferentes. Essa é a mensagem que o maior festival literário do Brasil quer passar com sua nova identidade visual, desenvolvida pela Agência Crama, a mesma que criou a primeira marca do evento no início da década de 1980.

Para a 19ª edição – que acontecerá de 30 de agosto a 8 de setembro de 2019 no Riocentro –, a Crama transforma livros em pipas que se espalham para reforçar a variedade de possibilidades oferecidas pela Bienal e chamar os visitantes a explorar cada experiência que o universo do festival proporciona. O novo slogan reforça o convite: “Venha, Viva, Conte. Muito além de um mundo de histórias”.

“Como a Bienal é sempre um espaço de encontros entre diferentes universos, pensamos nas possíveis interseções entre eles e nos objetos que poderiam representar isso. O papel, presente tanto na pipa quanto no livro, a liberdade que a leitura e o ato de brincar proporcionam, e, principalmente a imaginação: a elevação que ajusta novas medidas e perspectivas, o céu como limite”, explica Fernando Pegorer, diretor de negócios da agência.

Organizada pela GL events Exhibitions e pelo Sindicato Nacional dos Editores de Livros (SNEL), a última edição da Bienal reuniu 640 mil pessoas no Rio – um recorde de público – e, em 2019, o evento continuará perseguindo o objetivo de incentivar o hábito da leitura no país.

“Mais do que um evento de livros, a Bienal é ampla e excede as margens das publicações editoriais, reforçando o conceito de que é para todos e é onde todas essas histórias encontram seu lugar. Com o novo slogan, mostramos que não queremos só convidar todo mundo para ir à Bienal, mas também queremos que todos aproveitem e espalhem cada momento e experiência que ela oferece”, afirma Tatiana Zaccaro, diretora da Bienal.

Segundo ela, a última identidade visual era de 2015, mas para seguir inovando, logo após a Bienal 2017 foi feito um estudo de branding que reforçou vários pontos fortes do evento e apontou algumas oportunidades de mudanças. Uma delas foi a criação de uma nova identidade visual que reforçasse a pluralidade do evento, que abraça todos os públicos, de todas as idades, interesses etc.

Para a vice-presidente do SNEL, Mariana Zahar, o sucesso da Bienal impulsiona sempre novos desafios. “Na Bienal, cabem muitos públicos diferentes e a nova identidade visual conseguiu materializar muito bem isso”, destaca.

Novembro de 2018 – A Bienal Internacional do Livro Rio vai homenagear o Japão em 2019. A delegação de autores que será trazida para participar da programação oficial do evento vai apresentar ao público a rica literatura Japonesa. O visitante terá ainda a oportunidade de se aproximar de outros elementos da cultura nipônica, além de conhecer um pouco mais sobre mangás e games, narrativas que comprovam a multiplicidade que já se encontra habitualmente na Bienal.

O evento, promovido pela GL events Exhibitions e pelo Sindicato Nacional dos Editores de Livros, acontece de 30 de agosto a 08 de setembro, no Riocentro. Na última edição, 640 mil pessoas passaram pelo centro de convenções, um recorde de público.

Consagrada no calendário oficial da cidade, a Bienal do Rio chega à 19ª edição repleta de novidades, já notadas na chegada pelo Pavilhão das Artes, que hoje abriga a maior exposição permanente indoor de arte de rua da América Latina.

Ao entrar na galeria de arte, os visitantes terão acessos aos três pavilhões, já que a planta do evento foi redesenhada para dar mais conforto ao público e aos expositores.

Um espaço dedicado à filosofia e negócios, reunindo tudo sobre a literatura voltada para melhorar a qualidade de vida, e uma área para as pequenas editoras são novas propostas apresentadas pela organização.

O Fórum de Educação, com programação voltada para educadores e professores, será ampliado, apresentando a grande diversidade de temas e debates que envolvem a educação.

Novembro de 2018 – A crise das duas maiores redes de livrarias do país acendeu um alerta em todo o mercado editorial. Contra o momento difícil que o setor enfrenta, editores têm se unido em ações e manifestos nas redes sociais, incentivando o público a se presentear com livros e a compartilhar seus depoimentos de afeto e apoio às livrarias.

Nesta quarta (28), o presidente do SNEL e sócio da editora Sextante, Marcos da Veiga Pereira, lançou o #DesafioDasLivrarias. A proposta é simples: ir à uma livraria, comprar um livro, desafiar seus amigos a fazer a mesma coisa e postar nas redes sociais, com a hashtag da campanha. Na legenda do vídeo publicado em seu perfil, que já ultrapassa 40 mil visualizações, o editor dedica a iniciativa a todas as pessoas que amam ler.

Luiz Schwarcz, CEO da Companhia das Letras, divulgou na terça-feira (27) uma carta aberta para pedir que editores, livreiros, autores e todos os envolvidos nesse mercado procurem soluções criativas e idealistas neste momento.

“Cartas, zaps, e-mails, posts nas mídias sociais e vídeos, feitos de coração aberto, nos quais a sinceridade prevaleça, buscando apoiar os parceiros do livro, com especial atenção a seus protagonistas mais frágeis, são mais que bem-vindos: são necessários. O que precisamos agora, entre outras coisas, é de cartas de amor aos livros”, escreveu, acrescentando a importância das livrarias menores.

“Aos que, como eu, têm no afeto aos livros sua razão de viver, peço que espalhem mensagens; que espalhem o desejo de comprar livros neste final de ano, livros dos seus autores preferidos, de novos escritores que queiram descobrir, livros comprados em livrarias que sobrevivem heroicamente à crise, cumprindo com seus compromissos, e também nas livrarias que estão em dificuldades, mas que precisam de nossa ajuda para se reerguer”, pontuou. Leia a carta na íntegra no Blog da Companhia.

(Com informações do PublishNews)

Outubro de 2018 – O Sindicato Nacional dos Editores de Livros divulgou nesta sexta-feira (26) uma carta aberta aos candidatos à Presidência que disputam o segundo turno das eleições, Fernando Haddad (PT) e Jair Bolsonaro (PSL).

Assinado por Marcos da Veiga Pereira e Mariana Zahar – respectivamente, presidente e vice-presidente do SNEL –, o documento apresenta reivindicações para o setor do livro e da leitura e para a educação no país.

Confira a íntegra da carta.

Carta aberta do Sindicato Nacional dos Editores de Livros aos candidatos à presidência do Brasil

Numa tentativa de sobreviver ao período glacial, um grupo de porcos-espinhos resolve se amontoar para se aquecer mutuamente. Por causa da aglomeração, os bichos acabam se espetando e alguns deles, cansados da dor, abandonam o grupo. Sozinhos, começam a congelar e decidem voltar. Assim, passam a entender tanto as agruras do isolamento quanto os desafios de se viver em coletividade. Aprendem, por fim, a coexistir sem se ferir e, respeitando o espaço um do outro, superam o frio juntos.

Conhecida como “O dilema do porco-espinho”, essa famosa parábola criada pelo filósofo Arthur Schopenhauer funciona como metáfora para o difícil momento que vive o Brasil, às vésperas de uma das eleições mais polarizadas de nossa história.

Por entender que o livro tem uma papel fundamental na vida cultural do país, como fonte de conhecimento e prazer, e incomparável instrumento para construção da identidade dos cidadãos, o Sindicato Nacional dos Editores de Livros (Snel) quer manifestar aos candidatos ao mais alto cargo da nação o que espera e o que cobrará do próximo presidente do Brasil, na medida em que acredita num Estado comprometido com o avanço nos índices de leitura no país, que exerça seu papel em prol de uma educação inclusiva e da livre circulação de ideias.

Para tanto, o primeiro pilar de sustentação é a garantia da liberdade de expressão, com amplo espaço para o debate e sólido respeito às diferenças. O livro é estofo para formação humana e crítica e, aliado à educação de qualidade, é capaz de conduzir um povo à construção de cidadania, à consciência da equidade e à pluralidade de pensamento – valores caros à democracia e norteadores do nosso ofício como profissionais do meio editorial.

Outro aspecto imperativo é a defesa da criatividade, matéria-prima da produção cultural, literária e intelectual. Por isso, advogamos pela proteção ao copyright. A criação humana merece estímulo e reconhecimento: mais do que crédito, remuneração devida à pessoa criativa, ao criador. O governo deve promover a conscientização sobre a proteção da criação intelectual e o direito do autor, seja ele acadêmico, cientista, pesquisador ou romancista.

Para termos uma nação leitora também se fazem necessários investimentos robustos na formação de professores, bibliotecários e mediadores de leitura. Além do fortalecimento do sistema de bibliotecas públicas, tornando-as mais atrativas aos jovens leitores e cuidando de sua manutenção, gestão, da compra e da renovação de acervo, de forma descentralizada.

Em 2015, 53% das 120,5 mil escolas públicas do país não tinham biblioteca ou sala de leitura¹ e nosso desejo é que esse número esteja a favor da sociedade até 2020, ano que a Lei da Biblioteca Escolar (Lei 12.244) estipula como prazo para efetivar a meta de universalizar esses espaços. Para o orçamento de 2019, requeremos a inclusão de verba para a implementação da Política Nacional de Leitura e Escrita (PNLE), que tem como objetivo “promover o livro, a leitura, a escrita, a literatura e as bibliotecas de acesso público no Brasil”.

Num país com desigualdades e desafios proporcionais às suas dimensões, enfatizamos nossa convicção de que um setor livreiro economicamente saudável é essencial para o projeto de transformação e consolidação social que o Brasil anseia e precisa. O compromisso com a oferta de leitura e educação à população brasileira deve ser visto como uma das prioridades do novo governo, pois trará resultados engrandecedores para um país que urge deixar para trás um passado espinhoso e mirar num futuro mais coeso e próspero.

Marcos da Veiga Pereira e Mariana Zahar, respectivamente, presidente e vice-presidente do Sindicato Nacional dos Editores de Livros


¹ Fonte: Levantamento do Portal Qedu, da Fundação Lemann, com base em dados do Censo Escolar 2014.


Outubro de 2018 –
A 18ª edição da Primavera Literária do Rio acontece de 18 a 21 de outubro, de volta ao Museu da República, no bairro do Catete. Organizado pela Liga Brasileira de Editoras (Libre), evento reunirá estantes de editoras independentes de diversos estados do Brasil e terá a bibliodiversidade como tema principal.

A programação cultural gratuita para todas as idades inclui contações de histórias, lançamentos de livros, oficinais e palestras sobre assuntos que vão desde os desafios da mediação literária até autopublicação e pitch para autores independentes.

Confira o roteiro completo no site da Libre.

Além do evento no Rio, a Primavera Literária de Belo Horizonte também já tem data marcada: de 8 a 11 de novembro de 2018.

Outubro de 2018 – O nono* período do mercado livreiro em 2018 foi marcado por resultados positivos, em comparação ao mesmo intervalo no ano passado. Mesmo com o feriado prolongado de 07 de setembro, as vendas nessa época apresentaram crescimento de 3,65% em volume e de 5,37% em faturamento, seguindo a tendência de recuperação das edições passadas.

No acumulado de 2018**, o cenário permanece positivo, com alta de 5,70% em volume e de 9,33% em valor. “Apesar de todas as incertezas político-econômicas do Brasil e de um cenário pouco harmonioso envolvendo os players do mercado livreiro, o consumo de livros vai na contramão, se encaminhando para um bom fechamento de ano” comenta Ismael Borges, gestor do Bookscan Brasil.
Esses são alguns dos dados do 9º Painel das Vendas de Livros no Brasil em 2018, apresentados pelo Sindicato Nacional dos Editores de Livros (SNEL) e pela Nielsen. Os números têm como base o resultado da Nielsen BookScan Brasil, que apura as vendas das principais livrarias e supermercados no país.

Veja o estudo completo

* T. Mercado – Período 09: 2017 (14/08 a 10/09/2017) x 2018 (13/08 a 09/09/2018)
** T. Mercado – Acumulado WK01 / WK36: 2017 (02/01 a 10/09/2017) x 2018 (01/01 a 09/09/2018)
Fonte: Nielsen | Nielsen BookScan

voltar